Coexistência pacífica

É o nome dado a política externa da União Soviética durante o período em que Khrushchev liderou o país (1955-1962), que propunha que o comunismo e o capitalismo poderiam existir independentes um do outro, em sua zona de influência, efetivando disputas sociais e econômicas fora do âmbito militar. Isso não evitou que houvessem conflitos indiretos, mas impediu que ocorresse uma guerra direta entre os dois países.