Equidistância pragmática

Período compreendido entre 1935 e 1941, à época do governo de Getúlio Vargas. Foi caracterizado por  um movimento “pendular” da Política Externa Brasileira, ora de aproximação da Alemanha nazista, ora dos EUA, marcado pela estratégia do Brasil em procurar obter o máximo possível de proveito das negociações realizadas, servindo-se da disputa existente entre os dois blocos de poder.