“Anomalia das Américas”: a ausência do Brasil nas cúpulas da CELAC é o retrato de uma política externa desastrosa