Estudo comparativo entre métodos de pesquisa: estudo de caso e análise de discurso

Design: Marianna Oliveira via Canva Pro
Estudo comparativo entre métodos de pesquisa: estudo de caso e análise de discurso 1

Uma vez encontrado o tema desejado, o escritor necessita avançar no processo de pesquisa, passando a considerar a forma na qual seu estudo se debruçará. Maneira esta que se encontra pautada no estudo da metodologia científica. Este conceito, ao considerar Samra (2021), se dedica à noção do processo no qual a ciência é feita, ou seja, metodologia diz respeito à construção de um estudo que se orienta em formas de uma pesquisa em encontrar – ou não – um resultado.

Posto isto, ainda segundo Samra (2021), a metodologia faz uso dos métodos – as formas salientadas acima – não só para chegar a um resultado, mas também para especificar como tal resultado foi alcançado. Isto faz com que uma boa seleção de métodos de pesquisa ajude o estudioso a encontrar com maior desenvoltura bons dados de análise, que poderá garantir bons resultados de pesquisa. 

Com base nisto, este trabalho consistirá em abordar dois métodos de pesquisa distintos: o estudo de caso e a análise de discurso. Ao tratar destes preceitos, serão apontados suas descrições, suas aplicabilidades, seus limites, e, posteriormente, será realizada uma comparação de ambas. Feito isto, o escrito indicará um exemplo que apontará como estes métodos irão ser utilizados em uma pesquisa futura. 

Iniciaremos a análise dos métodos escolhidos pelo estudo de caso. Ao fazer uso do escrito de Gerring (2004), este percebe o estudo de caso como um método que, ao investigar um caso individual, este tratá inferências que generalizam um grupo de atores, casos ou acontecimentos. Isto acontece pois, segundo Bennet (2004), o estudo de caso está interessado não só na análise do acontecimento escolhido – apontando somente uma apresentação histórica do evento – mas na dissecação dos resultados apresentados pelo caso em si.

A partir desta investigação de eventos, segundo Bennet (2004) – sejam estas ocorrências singulares ou em grupos – a pesquisa dos resultados e como estes se deram, provocam uma noção única que pode agrupar certas significações em categorias. Isto permite que acontecimentos dispersos possam ser conectados de uma forma clara e progressiva, facilitando assim disseminação de certos tipos de conhecimentos.

Uma vez apresentado o conceito de estudo de caso, Gerring (2004) apresenta pontos importantes para se realizar este método de uma forma mais compreensível. Segundo Gerring (2004), o pesquisador precisa se atentar a focar sua análise aos atores dos casos em si, e não ao desenrolar dos acontecimentos. Pois assim, os padrões da abordagem do ator ficarão mais claros, o que poderá indicar um resultado mais palpável, gerando assim uma postura mais causal. 

Posto isto, os atores Gerring (2004) e Bennet (2004) apontam as forças e as fraquezas deste método. Em relação às forças – ou os benefícios -, este método possui uma facilidade em agrupar tópicos, o que consegue criar um padrão na pesquisa, homogeneizando os resultados. Outro ponto se apresenta na possibilidade de aplicar o estudo de caso em vários campos teóricos, tornando assim um bom método de se utilizar em pesquisas, independente da área de estudo escolhida.

Contudo, no que tange as fraquezas deste preceito, este se apresenta na velocidade do estudo. Os autores concordam na facilidade de agrupar algo, porém, a rapidez na qual este pode ser feito varia, o que gera uma inquietação do pesquisador em achar uma relação que pode demorar ou até mesmo não existir, pois nem todo o caso é dependente. Isto pode submeter o estudioso a forçar parâmetros convenientes à suas interpretações, em prol de alcançar resultados desejados, enfraquecendo assim, segundo Bennet (2004), uma pesquisa focada no método do estudo de caso.

Isto posto, será iniciado a abordagem do método de pesquisa denominado análise de discurso. Este preceito, ao seguir o texto de Neumann (2008), é caracterizado como a investigação de padrões e representações identificados nos discursos dos atores em seus determinados âmbitos – sejam estes domésticos ou internacionais – e em determinados momentos, observando assim como esta construção de discurso – falado ou escrito – ocasionou resultados em momentos posteriores. Os arquétipos repetidos aqui, ainda segundo Neumann (2008), derivam do aspecto cultural no qual o discursador e os ouvintes estão inseridos, o que pode facilitar o entendimento externo e o pertencimento interno ao discurso em si. 

Este método possui uma particularidade na forma de como é feito. Segundo Neumann (2008), para realizar uma boa análise de discurso, é necessário um conhecimento significativo do contexto investigado, porém é fundamental que tal entendimento não seja muito profundo. Isto é posto, já que, segundo o autor, um alto domínio no tema interno pode gerar análises tendenciosas, já que o discurso começa a afetar o pesquisador, o fazendo defender o discurso ao invés de só investigá-lo. Isto faz com que a análise de discurso seja um método bastante desafiador de se pesquisar, visto que é necessário um alto nível de estudo empregada à uma forte imparcialidade, para assim gerar uma análise completa. 

Ao pontuar as fraquezas do preceito, vemos a limitação deste ante a um tema amplo. Segundo Neumann (2008), a análise de discurso está pautada somente a um estudo individual e político voltado ao conflito. Isto faz com que este método não consiga ser usado em temáticas que fogem deste arquétipo. Contudo, quando o tema se volta ao estudo abordado anteriormente, a análise de discurso se torna imprescindível, já que este método consegue apresentar um mapeamento preciso do contexto, dos padrões, das representações utilizadas e do discursador, tornando assim, um grande ponto forte em utilizar este método em pesquisas.

Uma vez apresentado os métodos, será feita uma comparação de ambos levando em consideração os escritos de Neumann (2008), Gerring (2004), Bennet (2004) e Klotz (2008). Primeiramente, ao pautar nas semelhanças, temos a noção de que ambos são métodos qualitativos. Isto é posto ao se basear no entendimento de Guerra (2014) de que este tipo de preceito se pauta no entendimento dos processos e dos fenômenos, estudando assim os significados destes para a sociedade e para o sistema no qual este está integrado. 

Outra semelhança é vista na percepção de que os dois métodos se utilizam de um acontecimento específico – às vezes individual – para explicar episódios futuros. Isto mostra a noção de causalidade apresentada em ambos os métodos, ao evidenciar uma evolução dos eventos usando um fato particular como base. A semelhança final vem da concordância de que ambos se utilizam das teorias para testar o estudo dos métodos empregados, observando se a análise se pauta ou não às definições apresentadas nas teorias aplicadas por Klotz (2008) e Neumann (2008).

Agora, ao relacionar as diferenças vistas, ainda se utilizando dos autores apontados acima, temos em um primeiro momento, o escopo destes dois métodos. Isto é visto ao considerar que o estudo de caso consegue ser aplicado a várias temáticas do conhecimento, ampliando assim a sua área de atuação em pesquisas. Já a análise de discurso, por estar centrada em discutir aspectos políticos voltados a uma noção de conflito, sua aplicabilidade é contida em pesquisas mais específicas, diminuindo assim seu emprego em temáticas que se afastam do objeto de estudo apresentado nos textos de  Gerring (2004) e Bennet (2004) .

Outra distinção é vista ao ponderar a criação de novas teorias quando analisadas à luz dos métodos trabalhados neste trabalho. Conforme abordado anteriormente, tais preceitos conseguem analisar teorias e até mesmo serem estudados por elas, comprovando ou não sua eficácia. Contudo, somente o estudo de caso consegue ir além deste princípio. Segundo Bennet (2004), este método consegue identificar novas teorias e hipóteses não consideradas previamente ao manipular os dados dispostos de formas diferentes, gerando assim novas perspectivas, que poderão gerar novas variáveis, análises e conceitos. 

Uma vez analisados os métodos de pesquisa e estabelecido um estudo comparativo de ambos, será exemplificado como estes serão utilizados em uma pesquisa posterior. Primeiramente, tais preceitos foram trazidos a este trabalho levando em consideração o tema de pesquisa, que será um estudo de cibersegurança focado em ações estatais. Isto faz com que um estudo de caso seja um método interessante à empregado, já que para analisar estes atos, é de extrema importância analisar casos passados e sua relevância para o momento atual, tentando determinar assim um padrão claro das posturas pesquisadas ante ao tema. 

Ainda ao levar o tema de pesquisa em consideração, também se tem como essencial o emprego da análise de discurso na pesquisa. Isto é posto já que o assunto atende às condições de uso deste método, já que este se pauta em um estudo político voltado ao conflito – que é a base do tema de cyber segurança. Posto isto, tal preceito ajudará a entender a motivação de cada Estado – Estados Unidos, China e Brasil –  analisando o uso do discurso empregado e do contexto, observando como este construiu uma política voltada à temática cibernética. 

Em suma, os métodos são fatores muito importantes na construção de uma pesquisa, pois determinam com facilidade o melhor caminho a se traçar para se chegar ao resultado desejado. Contudo, é importante salientar que um bom estudo à esta temática seja realizado, para assim identificar os melhores preceitos que se adequam ao objeto de pesquisa escolhido. Com isso, ao encontrar métodos válidos ao tema, a pesquisa conseguirá uma forma ideal, proporcionando assim o seu início de fato.

Referências

BENNETT, Andrew. “Case study methods: design, use and comparative advantages. In: SPRINZ, Detlef; WOLINSKY-NAHMIAS, Yael (eds.): Models, numbers, and cases: methods for studying international relations. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 2004.

GERRING, John. “What is a case study and what is it good for?” In: American Political Science Review, vol. 98, n.2 (May, 2004), pp. 341-354. 

GUERRA, Elaine Linhares de Assis. Manual de Pesquisa Qualitativa. Belo Horizonte: Grupo Ănima Educação, 2014.

KLOTZ, Audie.  Case Selection. In: KLOTZ, Audie; PRAKASH, Deepa. Qualitative Methods in International Relations: a pluralist guide. Hampshire: Palgrave Macmillan, 2008. p. 43.

NEUMANN, Iver B.. Discourse Analysis. In: KLOTZ, Audie; PRAKASH, Deepa. Qualitative Methods in International Relations: a pluralist guide. Hampshire: Palgrave Macmillan, 2008. p. 61. 

SAMRA, Amira Abou. The Debates of Methodology and Methods: Reflections on the Development of the Study of International Relations. Review of Economics and Political Science. 2021.

Marcadores:
Sobre o Autor

Graduado no curso de Relações Internacionais pela Universidade Católica de Brasília, cujo minha área de interesse se debruçava nos temas acerca da Segurança Internacional, principalmente nos temas de Cyber Segurança, tendo também durante minha graduação tive algumas palestras em relação ao tema supracitado. Já escrevi um artigo de opinião em um jornal no estado de Goiás em conjunto com o professor doutor Rogério Lustosa. No âmbito profissional, eu estagiei durante dez meses no Ministério de Relações Exteriores, na seção de Antecedentes do ministério, aonde eu era focado em organizar documentação, atender pesquisadores internos e externos, dentre outros. Áreas de interesse: Cyber segurança; legislação acerca do cyber espaço; cyber espaço; estudo comparativo acerca das habilidades cibernéticas entre países.

Deixe um comentário